jusbrasil.com.br
14 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Execução judicial demora três vezes mais do que o julgamento

    Conselho Nacional de Justiça
    há 5 anos

    Pela primeira vez, é possível analisar como evoluiu o tempo de trâmite de ações nos tribunais brasileiros de um ano para o outro com o anuário Justiça em Números 2017. Consta das estatísticas produzidas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) todos os prazos de tramitação em cada fase processual na justiça.

    Na Justiça estadual, por exemplo, a fase de conhecimento tomou, em média, um ano e sete meses até o julgamento da sentença no 1º grau, em 2016. Nesta etapa, o juiz tem contato com os fatos — a partir de provas e testemunhos — e decide com base jurídica. Já a fase de execução, que é o cumprimento da sentença ou título extrajudicial, levou quatro anos e oito meses.

    Embora complexa, a fase de conhecimento é mais ágil que a execução na maioria dos tribunais, em todos os ramos de Justiça. Até a primeira sentença, o processo leva, desde o ingresso, mais do que o triplo de tempo na execução (4 anos e 6 meses) do que no conhecimento (1 ano e 4 meses), na média de todo o Judiciário.

    A contínua queda no índice de recursos contra decisões é outra tendência captada pelo estudo: cai há quatro anos a taxa de contestações, tanto para os índices de recursos ao próprio órgão julgador (internos), quanto aqueles endereçados à instância superior (externos).

    No cálculo, divide-se o total de decisões passíveis de recurso e o número de recursos apresentados. O universo aberto a recursos muda conforme o ramo de Justiça, o que é computado no índice. Por possuir a maioria dos processos e decisões com ampla margem de contestação, a esfera estadual exerce o maior efeito sobre o resultado global.

    Quanto mais próximo às instâncias superiores, maior a taxa de recursos. Assim, tribunais superiores tratam, em suma, de casos recursais, que tomam 89,4% da carga de trabalho. A maior demanda em órgãos de 2ª instância também se refere a recursos. No primeiro grau, ao contrário, a contestação tende a ser menor e variar conforme o ramo de Justiça.

    A Justiça do Trabalho é o segmento com mais recursos externos, com índice de 44,8% nas varas do trabalho e de 47% nos TRTs. Nos juizados especiais federais, 43% das decisões, em média, chegam às turmas recursais.

    Entre todos os tribunais, o estadual do Piauí (TJPI) detém a menor recorribilidade, em ambos os índices: interna de 0,01% e externa de 1%. A maior taxa interna é do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e maior externa do TRT14 (RO e AC).

    Isaías Monteiro

    Agência CNJ de Notícias

    Informações relacionadas

    Instituto Rui Barbosa
    Notíciashá 14 anos

    Tribunal calcula quanto cada processo custa para a sociedade

    Tribunal de Justiça de Santa Catarina
    Jurisprudênciaano passado

    Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Habeas Corpus Criminal: HC XXXXX-26.2021.8.24.0000 Tribunal de Justiça de Santa Catarina XXXXX-26.2021.8.24.0000

    Quanto tempo demora um processo?

    Gustavo P. Terra, Advogado
    Artigoshá 6 anos

    A prescrição intercorrente no Novo CPC

    Eliane Brandão, Advogado
    Modeloshá 5 anos

    Alvará de levantamento c/c ação declaratória de herdeiro

    1 Comentário

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    Acredito que meu sobrinho está nessa fase de execução judiciária, é ruim está nessa fase ?
    Ele está privado de liberdade a 1ano e 6meses .
    Como fica a situação dele ?
    É ruim ? continuar lendo